TIC e electronica na África do Sul

    0
    501

    Lider das Tecnologias da Informaçao e comunicaçao (TIC) em África, a África do Sul e o 20º maior consumidor de produtos e serviços de IT no mundo.

    Contribuindo cada vez mais para o PIB do pais, as TIC da África do Sul e o sector electronico sao sofisticados e estao em progresso.

    A industria de IT da África do Sul caracteriza-se pela liderança tecnologica, particularmente no campo dos serviços electronicos bancarios. As empresas sul africanas sao lideres mundiais em pre-pagamento, gestao de receitas e sistemas de prevençao de fraude, e no fabrico de caixas descodificadoras (conhecidas por set-top boxes), todas exportadas para o resto do mundo com sucesso.

    Varios grupos internacionais, reconhecidos como lideres no sector IT, tem delegaçoes na África do Sul, incluindo a IBM, Unisys, Microsoft, Intel, SAP (Systems Application Protocol), Dell, Novell e Compaq.

    As receitas da industria electronica na África do Sul estao a aumentar a niveis muito acima do taxa de crescimento do PIB. Entre os lideres principais na industria, defesa, telecomunicaçoes e electronica estao a Siemens, Ericsson, Altech, Grintek, Spescom, Tellumat e a Marconi.

    Um mercado de consumidores de electronica altamente competitivo, produzindo produtos electronicos de alto valor acrescentado, teem tambem um papel importante.

    Vantagens competitivas

    Espera-se que as TIC da África do Sul e os sectores da electronica continuem a mostrar um forte crescimento no futuro, devido as vantagens competitivas especificas do pais e do continente.

    Sistemas de ensaio e de pilotagem sao negocios que estao em franco crescimento na África do Sul, com a diversidade propria do mercado nacional, com um know-how de cariz mundial e um ambiente de desenvolvimento propicio, que a tornam no laboratorio de ensaios ideal para quaisquer inovaçoes.

    A Gartner, o grupo internacional de investigaçao, classifica a África do Sul como um entre os 30 destinos de outsourcing de criaçao de software mais procurados do mundo, com a investigaçao reportada a 2007 a par de Israel, Europa, Medio Oriente e África, e a seguir a Australia e a Índia, de modo global.

    A África do Sul demarcou-se tambem como um destino de qualidade e baixo custo para as centrais de atendimento. O pais e anfitriao para centrais de atendimento da AOL, do retalhista britanico ASDA, Virgin Mobile UK, Divisao de Camaras Digitais da Samsung para a Europa, entre outras.

    Alem do mais, legislaçao nova como a Lei de Revisao das Telecomunicaçoes de 2001 abriu as comunicaçoes na África do Sul, abrindo caminho para operadoras estrangeiras como a Virgin Mobile lançarem aqui os seu sprodutos.

    Os produtos e serviços das TIC da África do Sul estao a penetrar no mercado africano em geral, ele tambem em franco crescimento. As empresas sul africanas e delegaçoes estrangeiras aqui representadas forneceram a maior parte das redes de telecomunicaçoes fixas e sem fios que foram criadas por todos o continente ao longo dos ultimos anos.

    Um factor importante que tem atrasado o processo tem sido o custo elevado da banda larga em África. No entanto, o governo esta empenhado em contribuir para a soluçao do problema e estao a ser desenvolvidos varios projectos para colocaçao de cabos de fibra optica submarinos tanto na costa leste como oeste de África para lançar as ligaçoes entre o continente e o resto do mundo.

    Incubaçao tecnologica, investigaçao, formaçao profissional

    Espaço de inovaçao
    O Espaço de Inovaçao da África do Sul, criado em 2002 na cidade de Pretoria, e o primeiro parque de ciencia e tecnologia em África internacionalmente reconhecido.

    Um projecto da IQ Blue, um departamento industrial de tecnologia de ponta na provincia de Gauteng, o complexo reune a industria high-tech, cientistas, academicos e empresarios, no sentido de melhorar a tecnologia e a produtividade sul africanas.

    Tomando como ponto de referencia o melhor de situaçoes semelhantes no mundo, os edificios do centro plenos de criatividade e sempre relacionados com as novas tecnologias cruzam-se numa teia multidisciplinar, que engloba a electronica, as TIC, a bio-ciencia e sectores de fabrico advançados, apoio a criaçao de empresas (spin-off) na defesa e fabrico de automoveis.

    Dispoe ainda de um programa de incubadoras de empresas que deu vida a projectos que vao desde as soluçoes de gestao de palavars-chave e sistemas de vouchers electronicos ate joelhos proteticos com microprocessador.

    Instituto Meraka
    As industrias TIC da África do Sul sao apoiadaa pelo Instituto Avançado Africano para as Tecnologias da Informaçao e Comunicaçao, tambem conhecido por Instituto Meraka. Criado como uma iniciativa estrategica governamental, o instituto incentiva as competencias ao nivel das TIC, investigaçao e inovaçao, adoptando ainda o Free/Libre and Open Source Software (FLOSS), em portugues, o software livre e de codigo aberto.

    Centro de Joburg para engenharia de Software
    Outra parceria entre industria, universidade e governo e o Centro de Joanesburgo para Engenharia de Software. O centro pretende aumentar a capacidade de a África do Sul produzir software de alto nivel, reforçar a industria de software nacional e promover as melhores praticas no desenvolvimento de software em todo o continente africano.

    Universal Service and Access Agency of South Africa (USAASA)
    A estatutaria USAASA (Agencia Sul Africana de Serviço e Acesso Universal) criada em 1997 tem vindo a trabalhar com outros organismos e organizaçoes nao governamentais, a fim de serem formados centros por todo o pais onde as comunidades menos favorecidas possam ter acesso a serviços TIC e formaçao.

    Este artigo foi actualizado em: Julho de 2008

    Reporter infoSA. Fontes (websites em lingua inglesa):